Antes.                                                                                 Depois.

O Telecentro Comunitário José Miguel da Silva foi implantado na comunidade de Córrego da Catita em decorrência da parceria feita entre Prefeitura Municipal de Russas, Associação Comunitária José Miguel da Silva (CNPJ: 02.090.043/0001-30) e Governo Federal, através do Programa Nacional de Apoio à Inclusão Digital nas Comunidades – Telecentros.BR. Esta implantação possibilitou a expansão do Projeto Ação Digital – PAD, instituído pelo Decreto Municipal Nº 030/2008/PMR.
O Telecentro Comunitário José Miguel da Silva está cadastrado no Observatório Nacional de Inclusão Digital – ONID sob nº 18872.

O nome do Telecentro foi escolhido em consulta pública à comunidade local através de reunião convocada pela Associação Comunitária José Miguel da Silva. Esse ato legal foi registrado em ata e caracterizou a criação do referido Telecentro em março de 2010. Em 1º de março de 2012 o telecentro entrou em efetivo funcionamento.

Endereço do telecentro:
Sítio Córrego da Catita, Zona Rural.

Descrição de localização
A partir do centro de Russas-CE seguir para a CE 105, sentindo Mossoró-RN. Após 05 km e antes da ponte sobre o Rio Jaguaribe, entrar à direita, próximo a Cerâmica do Paulo Xavier, seguir em frente até avistar a caixa d`agua comunitária, o prédio do Telecentro se encontra a direita da mesma, no antigo colégio que recebia o mesmo nome que o telecentro.

Endereço para envio de correspondências:
Projeto Ação Digital – PAD
Telecentro Comunitário José Miguel da Silva
Tv. José de Deus, S/N, Prédio do Projeto ABC
Russas-CE
CEP: 62900-00

Biografia

Natural da cidade de Russas, nascido no dia 27 de setembro de 1887, José Miguel da Silva passou toda a sua infância a cuidar de animais, cultivos e plantações.
No dia 16 de outubro de 1862, casou-se com a Maria Santana de Oliveira e com ela teve 12 filhos, sendo eles 6 homens e 6 mulheres dos quais já faleceram 3 homens e 3 mulheres.
Era conhecido na comunidade por sua bondade e satisfação em ajudar os moradores do lugar sem requerer nada em troca. Preocupava-se com o crescimento e desenvolvimento da comunidade, ao ponto de ceder sua própria casa como sala de aula, para todos que quisessem estudar.
Sua renda era da agricultura com plantações de milho, feijão, algodão e a mais importante que  era  da fabricação da cera, que é extraída do pó da palha da carnaúba e que oferecia trabalho para varias pessoas da comunidade.
Faleceu no dia 28 de Setembro de 1958 , e, por seus feitos em prol do crescimento da comunidade, teve seu nome escolhido para nomear a escola do lugar, o prédio da escola foi construido no terreno doado por Davi José da Silva, filho do benfeitor josé Miguel da Silva.
A escola hoje está desativada, mas ao navegar em nosso blog é possível perceber que o prédio continua servindo a comunidade, pois é referência para a Associação Comunitária, que realiza reuniões e eventos no mesmo, o atendimento Médico e de enfermagem a população é realizado em uma das antigas salas de aula, que foi reformada e climatizada para tal, e o nosso Tele Centro, que trouxe uma nova página para a história da comunidade em questão e também para as vizinhas, pois vem proporcionando um novo conhecimento para todos.

O Projeto Ação Digital – PAD  


O Projeto foi criado e pensado pelo sr. João Paulo de Oliveira como proposta para a reabertura da sala de informática do Projeto ABC. Foi elaborado e enviado ao gabinete do deputado Ariosto Holanda que, prontamente, viabilizou a implantação do mesmo juntamente com a profa. Lindalva Pereira Carmo, então secretária de Educação do Município de Russas-Ce.

O PAD, como é publicamente conhecido, foi implantado através do Decreto Municipal nº 030/2008/PMR pelo Excelentíssimo Prefeito Raimundo Cordeiro de Freitas, tornando-se, assim, uma política pública do Município de Russas. Em 2010, em virtude do lançamento do Chamado Público do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o PAD ficou entre as 63 iniciativas (de um total de 1071) de inclusão digital que foram contempladas com o Programa Telecentros.BR no Brasil. Tornou-se então, a única iniciativa do Vale do Jaguaribe que recebeu 13 novos telecentros para implantação nos seguintes locais: Projeto Ação Digital – SEDE – ABC (02), Sítio Melancias (01), Sítio Gracismões (01), Sítio Paraíso (01), Sítio Ingá (01), Rua Dr. João Maciel Pereira (01), Av. Cel Araújo Lima – UNACR (01), Sítio Poço de Onça (01), Sítio Lagoinha (01), Lagoa do Toco (01), Córrego da Catita (01) e Sítio Timbaúba(01).

O Programa Telecentros.BR

           O Programa Nacional de Apoio a Inclusão Digital nas Comunidades -  Telecentros. BR é uma política de inclusão digital do Governo Federal em parceria com iniciativas da sociedade civil, que visa implantar telecentros novos, além de fortalecer as unidades já existentes em todo o País.

Para o Programa, telecentros comunitários são espaços que proporcionam acesso público e gratuito às tecnologias da informação e comunicação, com computadores conectados à internet e disponíveis para múltiplos usos, incluindo navegação livre e assistida, cursos e outras atividades de promoção do desenvolvimento local em suas diversas dimensões, sendo o gestor, em suma, o administrador responsável pelas condições adequadas para a realização das atividades nos telecentros e porta-voz da instituição em assuntos que mereçam interseção com a comunidade

 
 

 Gesac

 Coordenado pelo Ministério das Comunicações por meio do Departamento de Infraestrutura para Inclusão Digital, o Programa Gesac oferece conexão de internet via satélite e terrestre à telecentros, com o objetivo de promover a inclusão digital em todo o território brasileiro.

         O Programa é direcionado, prioritariamente, para comunidades em estado de vulnerabilidade social, em todos os estados brasileiros, privilegiando as cidades do interior, sem telefonia fixa e de difícil acesso. Por meio dele, é disponibilizada a infraestrutura fundamental para a expansão de uma rede.

          Desde 2002, milhares de brasileiros passaram a dispor do acesso à internet por meio do Programa, que proporciona oportunidades de inserção no mundo das tecnologias de informação (TICs) e comunicação por meio de uma iniciativa governamental pública, gratuita e democrática.